Páginas

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Desengano do Ser


E eu pediria perdão ao mundo por todo bem que deixei de fazer, porque o mal é somente “a ausência”. Mas quem implora meu perdão por tantos sonhos ceifados? Ninguém aparece! E deveria – alguém, alguma força, qualquer coisa. Algo que alimente minha dramaticidade artística e mal ensaiada.

Se o mal é somente a ausência do bem, tristeza é a ausência da felicidade? Sonhos, sonhos... a vida que se queria vai ficando distante, as dores [antes tão agudas] hoje pouco são lembradas.

Esse Chronos, tempo mitológico, cíclico, transforma tudo que vem no que um dia foi e voltará a ser, se não na sua vidinha tão passageira, na de outro, quem sabe fruto do teu ventre, quem sabe lixo da sociedade jogado a uma margem qualquer.

Quem anda sem rumo também tem história e sentimento. A gente tem é medo do monstro da consciência, que toda noite [aquela que não se dorme] nos lembra de nossa desumanidade. Temos medo de olhar o abismo! E daí se ele olha de volta? Nietzsche deveria saber que se não o encararmos, nunca venceremos. Não se ganha uma guerra faltando às batalhas, fechando os olhos.

Verdades, mentiras, fantasias, delírios. E se repete na mente a dúvida de Alice naquele seu país de maravilhas:

- Quanto tempo dura o eterno?

E eu agora pergunto:

- Dá tempo? E se for mesmo só isso? Talvez seja melhor tentar fazer com que valha a pena, a memória, as letras, o desengano.

2 comentários:

  1. Em breve será realizado o CONCURSO DE POESIAS DA ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS (Machado-MG).

    ResponderExcluir